Mundo Ela

A importância do terceiro setor na pandemia

Foto: Edward Eyer no Pexels

Graças a solidariedade, a empatia, e principalmente, ao trabalho incansável de pessoas e organizações do terceiro setor, ou simplesmente as ONGS, evitamos um caos ainda maior.

Atualmente, o Brasil ocupa o 8 lugar em desigualdade social no mundo.

Com mais de um ano de pandemia, em virtude da Covid-19, ficamos diante da pior crise sanitária e econômica dos últimos tempos. Com todo o caos, seja econômico ou social, e com governos quebrados financeiramente, essa desigualdade ficou ainda mais evidente.

Graças a solidariedade, a empatia, e principalmente, ao trabalho incansável de pessoas e organizações do terceiro setor, ou simplesmente as ONGS, evitamos um caos ainda maior.

Estipula-se que no Brasil tenhamos mais de 800 mil ONGS que também, tiveram que se adaptar, para não parar suas atividades para que pudessem servir e ajudar pessoas onde o poder publico nao chega.

Sabemos que com a política de isolamento social e fechamento do comércio, o desemprego aumentou. Muitas empresas que fecharam no periódo da pandemia, não suportaram e não retornarão suas atividades e tiveram suas portas fechadas em caratér permanente.

Tivemos um aumento significativo no preço dos serviços e alimentos, e com isso muitas famílias se encontram em situação de vulnerabilidadee, o pior, em situação defome.

O que observamos é que a mobilizacao do terceiro setor juntamente com a população local, foram imprescindiveis para diminuir o sofrimento dessas pessoas, atraves de campanhas de arrecadacao de alimentos e outros produtos básicos para doação.

Quando passamos por crises como esta, notamos que o trabalho das ONGS são essenciais, justamente porque complementam o que falta e agem como parceiras do setor público.

Essas organizações, também, estão atravessando uma situação muito difícil porque, alem da crise sanitaria e economica como mencionamos acima, as restrições também afetam a operação de várias delas. Muitas instituicoes dependem 100% de doações para sobreviver.

Felizmente, o que temos presenciado é uma forte movimentação na sociedade. Muitas pessoas se mobilizaram a doar e muitas se engajaram no trabalho voluntário.

É muito comum vermos mutirões, campanhas publicitarias de artistas e empresas para doarem dinheiro e muitas pessoas que oferecem seu tempo para ajudar a tornar a vida de outras pessoas mais fácil.

Em momentos como o que estamos passando, sem precedentes, é muito reconfortante saber que existem instituicoes e pessoas que fazem a diferenca na vida de outras pessoas, complementando o poder publico.

Esperamos que as mesmas recebam fundos suficientes para sobreviverem a crise pós- pandemia para que possam continuar atuando e minimizando as desigualdades sociais, buscando garantir uma sociedade mais justa e igualitária para todos.

Por Rizzia Froes
@rizziafroes

Leia também:

BH amplia vacinação para pessoas de 34 a 31 anos

Brasileiras fazem história nas Olimpíadas de Tóquio

Por que pensar de forma interseccional?

A importância do terceiro setor na pandemia

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Colunistas
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments