Mundo Ela

Projeto Mulher Livre de Violência | Vale do Mucuri

Foto: Rizzia Fróes

Projeto mulher livre de violência – Na semana que comemoramos o dia internacional para a eliminação da violência contra as mulheres gostaríamos de destacar na nossa coluna o projeto do Vale do Mucuri: “Mulher Livre de Violência” (MLV) que foi idealizado por Juliana Lemes à época, soldado da PM componente da Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica (PPVD) e criado a partir da experiência de policiais militares do 19º Batalhão de Polícia Militar de Teófilo Otoni-MG no ano de 2016.

A iniciativa foi inscrita no Edital “Militar que eu quero ser” da Associação Feminina de Assistência Social e Cultura (AFAS), tendo sido premiada com equipamentos e materiais para desenvolvimento das atividades previstas. Além disso, está cadastrada, desde 2018, como um dos projetos de extensão do Grupo de Extensão e Pesquisa em Agricultura Familiar (GEPAF), da Universidade Federal dos Veles do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Inicialmente, pautou-se na difusão de informações sobre a Lei Maria da Penha e o esforço à articulação da rede de enfrentamento local, uma vez que foram identificadas pela equipe importantes lacunas relacionadas ao assunto.

De acordo com os dados dos Diagnósticos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher em Minas Gerais, desde o ano de 2014, o município de Teófilo Otoni apresenta índices acima da média do estado em registros policiais relacionados à violência doméstica, o que está atrelado a uma incipiente articulação da rede de enfrentamento local. Dos 60 municípios do baixo e médio Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucuri, apenas os municípios de Teófilo Otoni e Nanuque possuem Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAM); 15 municípios possuem Delegacia de Polícia Civil durante o dia; e 4 municípios possuem Delegacia de Polícia Civil durante o período noturno. Os apontamentos acima refletem a dimensão da lacuna que separa as usuárias rurais do acesso aos serviços disponíveis da rede. Dessa forma, considerando que a violência é múltipla, os esforços de setores e instituições distintas para fazer frente às demandas das mulheres é uma exigência.

O objetivo do Projeto MLV é prevenir a violência contra meninas e mulheres pela via do empoderamento feminino e autonomia econômica. Trata-se de uma iniciativa replicável a qualquer comunidade porque respeita a singularidade de cada lugar, considera o histórico sociocultural e constrói as atividades a partir do diálogo com as meninas e mulheres locais. Assim, contribui para a superação da violência à medida que suas atividades valorizam a troca de saberes das envolvidas, e de forma cuidadosa, as informações relacionadas à violência contra as mulheres são introduzidas. Ao passo que as meninas e mulheres ficam mais à vontade para falar sobre suas realidades, percebe-se que assumiram seus lugares de fala, em regra, um espaço reprimido.

São realizados encontros mensais com o grupo e esporádicos com comissões menores. No espaço, há troca de saberes sobre mulheres, prevenção e enfrentamento da violência. Os trabalhos manuais foram ganchos para a aproximação das mulheres entre si e com a proposta do projeto. Elas ilustram no tecido, suas vivências, sentimentos e desejos. Como iniciativa pioneira em MG, arrecadou-se fardamento da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros militar, que já não estão em uso. A farda é ressignificada. Reutiliza-se o tecido, que vira bolsa, flâmula ou almofada. As peças levam as mensagens a várias partes do país e do mundo. Na arte, busca-se a negação dos papéis de gênero e o fomento à autoestima feminina, longe dos tradicionais artigos de “cama, mesa e banho”. Do valor arrecadado nas vendas, 70% é para as artesãs e 30% para o projeto.

No ano de 2019, o Projeto MLV foi um dos vencedores do Selo de Práticas Inovadoras no Enfrentamento à violência contra meninas e mulheres 2019, concedido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

E ainda em 2021, a coordenadora do projeto, Cabo Juliana Lemes, recebeu na Câmara dos Vereadores de Teófilo Otoni, monção honrosa, pelos relevantes serviços prestados à frente da iniciativa e em defesa dos direitos das mulheres.

O MLV é o tipo de projeto que nos enche os olhos e nos mostra um caminho para a luta para acabarmos com a violência contra as mulheres.

Por Rizzia Froes
@rizziafroes

Gostou? Então veja abaixo outras matérias escritas por Rizzia Froes pra o site Mundo Ela:

Redes Marianas – as mulheres que inspiram

A importância de se discutir a masculinidade no combate à violência doméstica

Uma manhã de esperança com o Padre Júlio Lancellotti

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Colunistas
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments