Mundo Ela

Ser pai é…

dia dos pais

Foto de Josh Willink no Pexels

É comum o pai idealizar comportamentos e condutas de vida para evitar que os filhos passem por algum tipo de necessidade ou sofrimento que eles, em algum momento da vida, tiveram que passar. Comigo não é diferente e confesso que como tudo na vida, nada é 100% previsível e certo de que acontecerá conforme o nosso desejo, mas seguimos tentando fazer a vida mais leve e feliz.

Minha filha tem 1 ano e 9 meses e a cada brilho no olhar e sorriso estampado no rosto ao ver o pai, sinto meus ombros mais leves. Até o momento, foram 9 meses na barriga e quase 2 anos fora dela com um pai extremamente presente, carinhoso e preocupado com seu crescimento e evolução. Meus ombros ficam leves por ela não ter que sofrer o que muitas crianças já sofreram e ainda sofrem com a ausência paterna. Quando aprender a desenhar a família, ela vai desenhar o pai. Quando fizer alguma atividade na escola para presentear o pai, saberá o que está fazendo e para quem está fazendo. Quando chegar o dia dos pais, ela saberá para os braços de quem quer correr e entregar um trabalho manual feito com amor. Ela não será questionada na escola pelos colegas e nem terá no documento de identidade a filiação incompleta. Nem no papel e nem na vida. Presumo que se as coisas continuarem como estão, este relacionamento entre pai e filha vai ser um elo forte entre os dois. Definitivamente, Liz é uma menina de sorte.

O pai que está presente fisicamente mas que não cumpre o seu papel, é pai ausente. O pai ausente fisicamente e que acredita que se faz presente por pagar a pensão e nada mais, é pai ausente. O pai que não paga pensão e não é presente, é pai ausente. O pai que não consegue por motivo de força maior pagar a pensão conforme acordado mas que faz de tudo para estar com o filho e exercer seu papel de direito, é pai presente. Presente também é o pai que paga pensão mas está na reunião da escola, na festa da família, no aniversário que a mãe organizou.

A função do pai está longe de ser apenas ajudar a arcar com as despesas financeiras do filho. Pai é aquele que vamos nos lembrar ao longo da vida pelos pequenos e grandes momentos em que esteve presente. Ele estava lá quando o filho aprendeu a andar de bicicleta ou fez o primeiro gol, quando tocou uma música no violão para ver a filha dançar, ainda sem muita coordenação, incentivou os primeiros passos, que deu colo, que foi herói sem precisar ter superpoder. Porque o mais importante ele faz, que é estar ali dando apoio, carinho, amor, sendo referência para alguém que ainda enxerga o mundo sem maldade.

Estas são as lembranças que eu tenho do meu avô e do meu tio, pois quando uma criança é criada pelos avós como eu fui, sempre tem algum outro membro da família que indiretamente se torna a referência que a gente precisa. Do meu avô só guardo lembranças de carinho, afeto, cuidado, responsabilidade em assumir uma neta como filha e agradeço por não ter tido uma mentalidade arcaica quando minha mãe anunciou que estava grávida. Foi pra ele que fiz todos os desenhos da escola e presentes manuais. Sempre foi e sempre será o meu avô, mas me assumiu como se fosse meu pai. Do meu tio, levo comigo o jeito brincalhão, a maneira de viver a vida com mais leveza, o incentivo para estudar e por ser presente o suficiente para eu ter certeza de que ao entrar na igreja vestida de noiva, seria ele quem me conduziria até o altar. Faltou o casamento, mas não me faltaram boas referências. Sempre foi e sempre será meu tio, mas foi na maneira que cresci vendo ele criar seus próprios filhos que moldei a referência de modelo de pai que eu queria para quando a minha vez de constituir uma família chegasse.

Seja como for, ninguém pode substituir o papel de um pai na vida de um filho. Ser pai e mãe é uma grande responsabilidade, pois toda a sua conduta ou a falta dela em relação ao filho, irá marcá-lo por toda a vida. Pensem nisso, pois quem fala aqui é uma filha que por mais que tente esquecer os erros do passado e conviva com o pai há 8 anos, não consegue chamá-lo de pai e nem sentir por ele o que sente pelo tio e pelo avô. Não me culpo, pois os erros não foram meus, mas de certa maneira irei carregar suas consequências a vida toda. Perdoei e tento construir um novo caminho, um dia de cada vez. Não podemos alterar o passado, mas seguimos tentando construir um presente e futuro melhores.

Feliz Dia dos Pais em especial para o pai da Liz, que é o melhor pai e companheiro que poderíamos sonhar! Feliz Dia dos Pais para o meu avô que não está mais entre nós, para o meu tio querido e para todos aqueles que sabem da importância do seu papel na vida dos filhos! Feliz Dia dos Pais para o meu pai.

Por Ana Vitória Lopes
@analopesjornalista

Leia também:

Leão, orgulho de ser quem sou

Pescaria de Elásticos

As mulheres estão fazendo história em Tóquio

Solidariedade: do digital para as ruas

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Colunistas
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments