Mundo Ela

Portas em automático! Conheça o novo perfil do viajante

Viajante

Após 1 ano convivendo com a Covid-19 o nosso cenário não tem mudado e seguimos preocupados, pensativos e em busca de transformações que deem novo sentido às nossas vidas de viajante.

E com relação as viagens isso não tem sido diferente, não só pelo nosso imenso desejo em voltar a viajar, mas também sobre COMO   será nossa próxima viagem. Afinal, agora temos tido um novo olhar para tudo.

Desde o ano passado estudos já tem apontado para essa mudança no perfil do viajante durante e pós COVID.

O viajante tem convivido cada vez mais com a preocupação com relação a protocolos de higienização, bem como tem buscado alternativas para sua hospedagem com o intuito de evitar a aglomeração.

Nesse sentido a Airbnb divulgou, que, como previsto, o carro ainda tem sido o meio de deslocamento preferido pela maioria dos viajantes, assim como destinos mais próximos e, o mais importante; as opções de HOSPEDAGEM tem sido observadas com cautela.

A busca por detalhes que, antes não eram fator primordial de preocupação, ganha cada vez mais importância no contexto atual.

Para muitos viajantes, a escolha do “lugar ideal para me hospedar” tem sido fator determinante na sua próxima viagem, ou seja, o brasileiro tem investido cada vez mais em buscar informações sobre a acomodação, além é claro, do cuidado em relação aos protocolos de higienização.

No entanto e, devido ao momento atual, sabemos que ainda precisamos de segurança para que tudo isso ocorra.

No âmbito internacional isso deve se estender um pouco mais.

Foto: Luciana Ferreira

Em artigo publicado essa semana no BBC de Londres foi informado que novo mapa global de riscos deve ter Brasil em “zona vermelha” dizem cientistas.

“Para pesquisadores britânicos, Europa, Oceania e partes da Ásia devem retomar turismo e viagens entre esses territórios a partir de julho, enquanto países que não vacinarem ficarão isolados.”

Ou seja “conforme os programas de vacinação contra covid-19 avançam em partes do mundo, principalmente nos países ricos, o mundo deve se dividir até o final do ano em zonas de risco — e o Brasil tende a ficar na vermelha, dizem cientistas britânicos ouvidos pela BBC News Brasil.”

“Vamos terminar o ano com um sistema de divisão em zonas, com partes do mundo vacinadas e partes não”, disse à BBC News Brasil.

“E se decidirmos adotar políticas baseadas na imunidade adquirida pelos países por meio da vacinação, veremos limitações a direitos, viagens e à economia de países pobres que já estão tendo dificuldades de acesso a vacinas.” Tema inclusive abordado no nosso artigo anterior sobre o “Passaporte Vacinal”.

Ou seja, além da preocupação concreta com o presente já estamos reestruturando a nossa maneira de pensar sobre as viagens no futuro e buscamos com isso sair do modo “piloto automático” em que vivíamos na pré pandemia.

Portanto, e quando formos vacinados, a tendência segue forte no sentido do crescimento das viagens regionais e que tragam maior reconexão humana.

foto: Pexels

Os viajantes buscarão o que mais fez falta no último ano; a possibilidade de um grande abraço e vivência de momentos seguros rodeados pela família e amigos.

Quando tudo isso passar o que você buscará na sua próxima viagem?

Colunista: Lu Ferreira
@insightconsultoriaviagens

Leia também:

Mulheres, Viagens e Transformação

A vacina ganha passaporte!

Saiba os cuidados ao baixar e acessar o aplicativo CAIXA TEM para receber o auxílio emergencial

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
ColunistasÚltimas
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments