Mundo Ela

Uso excessivo das telas durante a pandemia prejudica a visão

Uso excessivo das telas

A pandemia e o isolamento social mudaram o nosso comportamento. Agora passamos a realizar grande parte de nossas atividades rotineiras de maneira virtual. Dessa forma, o tempo em frente ao computador, celular ou televisão aumentou muito, e o uso excessivo das telas é um hábito que pode afetar a visão e nossa saúde em geral.

Antes da Pandemia o uso excessivo de telas por crianças e adultos já vinha preocupando organizações de saúde. A Academia Brasileira de Pediatria publicou um artigo chamado Menos Telas e Mais saúde, alertando para os danos do uso excessivo de telas para crianças.

A OMS também já havia lançado um manual com vista a esses cuidados. Visando não somente a saúde visual, mas o aumento crescente da obesidade, insônia e distúrbios emocionais, como ansiedade e depressão.

A ultima revisão do CID (Código Internacional de Doenças), o CID 11, organizado pela OMS e liberado desde 2019, já vinha propondo um novo capitulo com critérios específicos para doenças e danos secundários à dependência digital. A previsão é de que o CID 11 entre em vigor a partir de 2022.

Nos olhos, o uso frequente de telas pode causar miopia ou levar a sua progressão. Além disso, a exposição excessiva à luz azul das telas pode causar ou agravar a degeneração macular, o que compromete a visão de maneira que não pode ser corrigida com óculos, como no caso da miopia.

Outro problema é o aumento da incidência de olho seco, pois a concentração nas telas diminui o piscar, aumentando a exposição dos olhos ao ambiente e levando aos problemas do ressecamento como ceratites de repetição.

Para evitar problemas visuais, você pode diminuir o brilho da tela, acionar o escudo de luz azul presente nos dispositivos eletrônicos (night shift), além de dar pausas no uso da visão para perto.

Olhando para longe ou fechando os olhos a cada 30 minutos você relaxa a musculatura interna dos olhos, dando um descanso rápido para eles.

Também é importante, durante esses intervalos, piscar muito, para melhorar a lubrificação dos olhos. E no decorrer do dia, fazer pausas mais longas a cada duas horas em frente às telas.

É recomendado ainda que se mantenha a distância entre o olho e a tela em 30 cm no celular e 50 cm no computador. Logo, o ideal é que não aproxime a vista do aparelho.

Outra medida importante é evitar o uso de telas antes de dormir, principalmente já na cama. Pois a luz azul emitida pelo dispositivo eletrônico, confunde seu cérebro, que não produz a melatonina, o hormônio do sono, pois a luz o faz pensar que ainda é dia.

O resultado é uma dificuldade para iniciar o sono, ou seja, a insônia. Assim, o ideal é deixar os dispositivos de lado pelo menos uma hora antes de se deitar.

É extremamente importante, equilibrar a vida real e a virtual. Tanto para adultos quanto para crianças.

Clique aqui para ler o texto da Academia Brasileira de Pediatria.

Dra Fernanda Santos
@drafernanda.santos

Leia também:

Volunturismo é para você?

Como transformar um Hobbie em um Negócio

Idosos de 64 anos começam a ser vacinados

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.